Síntese, caracterização e valor agronômico dos adubos organominerais na cadeia de flores e hortaliças será apresentado em seminário

31 de outubro de 2019
vegetais-615
O seminário Sustentabilidade na cadeia de produção de hortaliças e flores será realizado no Auditório da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP), em 5 de dezembro, coordenado pelo pesquisador da Embrapa Meio Ambiente, Wagner Bettiol.

Nesse evento, serão discutidas técnicas de manejo de pragas e doenças na cadeia produtiva de hortaliças e flores e as principais tecnologias de uso e produção de insumos de base orgânica. O Grupo Viola Harmônica fará o encerramento, a partir das 17h, com apresentação de músicas caipiras raiz de fato e regionais.

A iniciativa é uma parceria entre a Embrapa Meio Ambiente e a Associação Brasileira de Insumos para Agricultura Sustentável (APAS). Para Bettiol, esse encontro visa discutir a utilização adequada dos insumos agrícolas, tanto o uso de fertilizantes quanto o de defensivos agrícolas.

Essas cadeias utilizam intensivamente esses insumos; assim, é fundamental para a Embrapa Meio Ambiente fomentar discussões, sendo também esee um dos objetivos do Fórum de Adequação Fitossanitária da Embrapa Meio Ambiente”, explica Bettiol.

O professor Carlos Alberto Silva, do Departamento de Ciência do Solo, da Universidade Federal de Lavras, irá apresentar palestra que abordará o valor agronômico dos adubos organominerais. De acordo com ele, no Brasil, há várias cadeias produtivas que produzem resíduos orgânicos que são utilizados na síntese de fertilizantes orgânicos e organominerais.

A importação maciça de adubos pelo Brasil demanda novos processos de síntese de fertilizantes, notadamente de fertilizantes organominerais (FOMs). O setor de fertilizantes do país importa a maioria das matérias-primas e insumos utilizados na fabricação de fertilizantes minerais.

O uso de resíduos ricos em nutrientes em novas rotas de síntese de FOMs à base de materiais humificados, de compostos e de biomassas diversificadas pode contribuir para que o país reduza a dependência externa de fertilizantes e custo da adubação”, afirma o professor.

Com essa visão, promove-se, também, a ciclagem de nutrientes contidos nos resíduos orgânicos produzidos nas lavouras, cidades e indústrias do país. Os resíduos orgânicos mais promissores para a produção de FOMs são os oriundos de usinas de produção de álcool e de açúcar, os de sistemas intensivos de produção de aves e suínos e aqueles produzidos em indústrias e agroindústrias, bem como os originados em estações de tratamento e triagem de lixo e de esgoto.

Em relação aos fertilizantes minerais de alta solubilidade, os FOMs podem ser mais vantajosos, por liberarem nutrientes às plantas de modo mais gradual e por demandarem menos aplicações. Tudo isso pode aumentar a eficiência de uso de nutrientes pelas plantas, com possibilidade de redução do custo da adubação. Por fim, essa nova rota de síntese de fertilizantes à base da mistura de resíduos orgânicos com adubos minerais, sobretudo, preconiza a adoção de princípios da economia circular, pois prioriza a ciclagem de nutrientes e o uso sustentável de matérias-primas escassas e de preço elevado que são maciçamente utilizadas na síntese de fertilizantes minerais.

A inscrição pode ser feita pelo site eventos.fundag.br/events. Para os agricultores, ela é gratuita (até 50 participantes). Solicitar Cupom de desconto pelo e-mail consultoria@fundag.br

 

Até dia 31/10 (preço por participante):

  • Empresas Associadas INPAS: R$100,00
  • Empresas Não Associadas INPAS: R$120,00
  • Estudantes: R$80,00

De 1/11 até 1/12 (preço por participante):

  • Empresas Associadas INPAS: R$120,00
  • Empresas Não Associadas INPAS: R$140,00
  • Estudantes: R$100,00

Programação
8h30 – 9h – Recepção e entrega de materiais
9h – 9h30 – Abertura
9h30 – 10h10 – Microbioma do solo e sua importância para a agricultura – Rodrigo Mendes/Embrapa Meio Ambiente
10h10 – 10h50 – Efeitos do manejo nutricional no combate às pragas e doenças de plantas – Camilo Medina/Conplant
10h50 – 11h10 – Coffee break
11h10 – 11h50 – Síntese, caracterização e valor agronômico dos adubos organominerais – Carlos Alberto Silva/UFLA
12h – 13h – Intervalo para almoço/brunch
13h – 13h40 – Produção de lírios sem agrotóxicos – Jan de Witt/Holambra/SP
13h40 – 14h20 – Manejo de pragas e doenças do tomateiro em cultivos protegidos- Cesar Almeida/Sakata Seed Sudamerica
14h20 – 14h40 – Coffee break
14h40 – 15h20 – Manejo de doenças na cultura de morango – Hélcio Costa/Incaper-ES
15h20 – 16h – Perguntas e debate
16h – 17h – Conclusões e encerramento

 

Sobre o Fórum de Adequação Fitossanitária: Organiza discussões sobre o desenvolvimento, regularização e legislação de agrotóxicos, busca a racionalização do uso desses produtos, aumenta as linhas de pesquisas e projetos em adequação fitossanitária tanto para a agricultura convencional como para a de base ecológica, além de gerar subsídios para a formulação de políticas públicas para o setor.

A resistência dos organismos aos defensivos agrícolas, o desequilíbrio ambiental, as doenças iatrogênicas que surgem devido ao uso de agrotóxicos; a eliminação do controle biológico natural e a menor resistência das plantas a pragas e doenças têm levado ao aumento do uso de agrotóxicos, apesar da evolução desses produtos”, explica Bettiol.

A missão da Embrapa Meio Ambiente é viabilizar soluções para o desenvolvimento sustentável do espaço rural mediante geração, adaptação e transferência de tecnologias e conhecimentos em manejo e gestão ambiental e contribuir para a formulação de políticas agroambientais. Desse modo, diz Bettiol, sua participação não se restringe apenas ao desenvolvimento e à divulgação de pesquisas, mas também em fomentar o debate e promover ações e políticas públicas relacionadas ao manejo fitossanitário das culturas de base mais ecológica.

 

Grupo Viola Harmônica:

O grupo amador sem fins profissionais foi criado a partir da roda de viola do Sesc Campinas. “Nós nos conhecemos lá há uns 2 anos e criamos o Grupo Viola Harmônica”, diz Ivan Lauandos. Os integrantes são Regina Cardoso, Rose Mary de Souza, Cosme dos Santos, Ivan Lauandos e Andrei Santos – 4 violeiros e 1 violonista.

Conforme Ivan, o objetivo maior é resgatar as músicas caipiras raiz de fato e as regionais.

Queremos que as novas gerações conheçam um pouco das músicas caipiras de fato. Todos são apaixonados pela música rural”.

 

Fonte: Embrapa (30/10/2019).

Ilustração: Alimento foto criado por freepik – br.freepik.com


Sobre

A Abisolo, Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal, foi fundada em março de 2003 com o objetivo de representar e defender os interesses das empresas produtoras de importantes insumos que colaboram para o aumento da sustentabilidade e produtividade agrícola brasileira.


Av. Paulista, 726 – Ed. Palácio 5ª Avenida Cj 1307 – Bela Vista

(11) 3251.4559


Categorias






2019 Abisolo- Todos os direitos reservados – Política de Privacidade