Nova Tabela de Fretes: reflexo no custo de fertilizantes

1 de agosto de 2019
Vja-dino-615x406
A Lei 13.703/2018 que instituiu a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, prevendo uma nova tabela com frete mínimo quando houver oscilação superior a 10% no preço do óleo diesel no mercado nacional, continua causando controvérsia em diversos setores.

Segundo David Roquetti Filho, diretor-executivo da Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), que representa cerca de 130 companhias fabricantes de matérias-primas ou misturadoras, o segmento foi especialmente prejudicado com a medida porque a cobrança do frete de retorno passou a ser obrigatória e os valores cheios para o transporte em suas principais rotas subiram.

De acordo com o diretor, a Anda entende que qualquer tabelamento de preços, além de inconstitucional, não é saudável à economia de livre mercado.

No caso de fretes isto é ainda mais problemático, sobretudo ao nosso setor, pois, ao menos até o momento, o tabelamento aponta para severo aumento de custos logísticos a um setor essencial ao agronegócio”, avalia.

O executivo destaca que espera que a medida seja alterada para reduzir os prejuízos do setor.

Nas audiências públicas demonstramos as grandes inconsistências e problemas técnicos da proposta da Esalq (Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial – ESALQ-LOG) e da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres)”, afirma.

Dentre as inconsistências apresentadas, de acordo com a Anda, estão:

  • A desconsideração do tema do frete de retorno, que é histórico e essencial a setores como o de fertilizantes;
  • Obscuridade quanto ao beneficiário da tabela, que, constitucionalmente, só poderia, quando muito, valer ao caminhoneiro autônomo e nunca às transportadoras;
  • Utilização de parâmetros de custo que não têm aderência à realidade;
  • Criação de um subsídio cruzado entre setores econômicos e regiões do país.

Roquetti também demonstra preocupação com possíveis novas turbulências provocadas pela nova tabela.

A tabela até o momento só beneficiou transportadoras, em detrimento do setor produtivo e dos próprios caminhoneiros autônomos. No caso do setor de fertilizantes seria catastrófico (uma nova greve dos caminhoneiros), pois estamos entrando no período de histórica sazonalidade e o tempo das plantas não é o tempo dos homens. Atrasos nas entregas podem ter repercussões terríveis para todo o setor do agro e segurança alimentar”, conclui o diretor.

De acordo com a Anda, o frete responde entre 7% e 20% do custo do fertilizante.

 

Agronegócio

Na opinião do CEO da VMX, Carlos Cesar Floriano, a tabela de fretes causa insegurança para o produtor.

Entendo que a medida realmente não é saudável ao livre-comércio e pode ter consequências difíceis de remediação no longo prazo. Viemos recentemente de uma ampla greve dos caminhoneiros e precisamos de um ambiente estável de negócios”, afirma.

O forte impacto na economia causado pela Greve dos Caminhoneiros no ano passado ainda causa receio aos empresários que dependem da operação logística para escoar toda a sua produção. Desde a produção do campo até o embarque de mercadorias no porto para exportação, por exemplo, toda a cadeia logística é afetada de modo avassalador. No ano passado, a paralisação teve grande impacto nos resultados anuais. O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens produzidos no País em dado período, chegou a ter crescimento projetado de até 3%, mas acabou recalculado para 1,3%.

O agronegócio é o coração do País, que gera emprego e representa o País como um selo de qualidade ao mundo todo”, conclui Carlos Cesar Floriano.

 

Decisão próxima

O Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou a pauta anunciando que a validade da Nova Tabela de Fretes será julgada em 4 de setembro de 2019.
A polêmica ocorre após várias ações apresentadas ao STF que contestam a Medida Provisória (já convertida em lei) editada no governo Michel Temer que instituiu a tabela com preços mínimos para o frete rodoviário. Na ocasião, a MP atendeu aos caminhoneiros, que faziam greve em todo o país.

Ingressaram com as ações a Associação do Transporte Rodoviário de Cargas do Brasil (ATR Brasil), a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI). A ATR-Brasil, a CNA e a CNI apontam desrespeito aos princípios da livre iniciativa e da livre concorrência com a adoção do tabelamento do frete. Em meio a essa turbulência, o relator do caso, Luiz Fux, suspendeu processos que tratavam sobre o tema para não haver insegurança a respeito do tabelamento.

O tabelamento do frete rodoviário aumentou em quase 40% os custos com fertilizantes e travou negociações futuras de grãos, segundo CNA. O setor produtivo também está sendo prejudicado por multas milionárias. No entanto, o governo reafirma a necessidade da medida.

 

Fonte: Veja (26/07/2019).


Sobre

A Abisolo, Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal, foi fundada em março de 2003 com o objetivo de representar e defender os interesses das empresas produtoras de importantes insumos que colaboram para o aumento da sustentabilidade e produtividade agrícola brasileira.


Av. Paulista, 726 – Ed. Palácio 5ª Avenida Cj 1307 – Bela Vista

(11) 3251.4559


Categorias






2019 Abisolo- Todos os direitos reservados – Política de Privacidade