Avanço da soja diminui área do milho no Vale do Rio Pardo

19 de setembro de 2018
milho5-e1529585601708
A área destinada ao cultivo do milho grão na região do Vale do Rio Pardo e Centro-Serra deve ter uma redução de 3,8% na safra 2018/2019 em relação a de 2017/2018.

A estimativa de área a ser plantada no novo ciclo nos 29 municípios que fazem parte desses dois territórios é de 78.316 hectares, enquanto no anterior foram cultivados com o grão 81.435 hectares. O assistente técnico da regional, Josemar Parise, atribui essa redução ao avanço da soja.

A diminuição de área estimada para a região contraria a situação da cultura em nível de Estado. De acordo com a Emater/RS/Ascar, no novo ciclo o grão deverá ocupar uma extensão de 738.074 hectares no Rio Grande do Sul, o que significa crescimento de 5,53% sobre a registrada na safra anterior, que foi de 699.385 hectares. Na região, um dos municípios que deverá diminuir a área de cultivo com milho é Santa Cruz do Sul. No município, na última safra foram plantados 5 mil hectares e a estimativa para 2018/2019 é que sejam ocupados com o grão 4,4 mil hectares. O principal motivo é a substituição do milho pela soja em decorrência do melhor valor de mercado.

A boa expectativa para o milho fica por conta da produtividade média, que deve ser de 5,5 toneladas por hectare. Essa foi a estimativa feita também para a safra anterior, mas que não se confirmou devido ao clima. No ano passado as chuvas foram menos regulares e de baixo volume e a produtividade média ficou em 5,1 tonelada por hectare. Já para a safra que começa a ser plantada, segundo Parise, a estimativa deve confirmar-se porque a previsão é de condições climáticas favoráveis.

A previsão é de ocorrência do fenômeno El Niño, no qual há mais chuvas e de maior volume no Sul do Brasil, clima favorável ao desenvolvimento do milho”.

O plantio da safra de milho 2018/2019 começou no Baixo Vale do Rio Pardo, embora de forma pontual no fim da primeira quinzena de agosto porque ocorreram dias quentes e logo o frio retornou. Conforme Parise, a maioria dos agricultores aguardou a elevação da temperatura do solo para fazer a semeadura. A maior área de cultivo com milho ocorre no pós-tabaco e começa a ser plantada só em dezembro, ainda dentro do período de zoneamento que se estende até janeiro.

Preço

O preço pago ao produtor pela saca de milho de 60 quilos atualmente (R$ 42, 50) está bom, conforme o chefe do escritório da Emater em Venâncio Aires, Vicente Fin. Porém, na colheita da safra anterior estava no valor de R$ 26,00 a R$ 28,00 devido à falta de capacidade de armazenagem nas propriedades, o que ainda é uma realidade e faz com que o produtor tenha que vender a produção para as cooperativas pelo preço do momento.

Fonte: Gaz (17/09/2018)


Sobre

A Abisolo, Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal, foi fundada em março de 2003 com o objetivo de representar e defender os interesses das empresas produtoras de importantes insumos que colaboram para o aumento da sustentabilidade e produtividade agrícola brasileira.


Av. Paulista, 726 – Ed. Palácio 5ª Avenida Cj 1307 – Bela Vista

(11) 3251.4559


Categorias






2019 Abisolo- Todos os direitos reservados – Política de Privacidade