Tecnologia em Nutrição Vegetal

Conceito

O estudo da nutrição vegetal estabelece dentre os elementos fundamentais para o ciclo de vida da planta, como são absorvidos, translocados e acumulados, suas funções, exigências e os distúrbios causados quando ocorrem em quantidades deficientes ou excessivas. Na prática, a Nutrição Vegetal é o conjunto de processos mediante os quais as plantas assimilam os nutrientes disponíveis no ambiente para construção de suas estruturas celulares e obtenção de energia para a realização de suas funções vitais, como exemplos: crescimento e reprodução.

Os processos envolvidos na nutrição vegetal são afetados por três sistemas: planta, solo e ambiente. O sistema planta está centrado nos processos relacionados à assimilação de nutrientes que envolvem a fisiologia vegetal. No solo, estão as áreas de fertilidade, correção e condicionamento de solo. Já o ambiente está associado à irrigação, drenagem, climatologia e etc.

Figura: Processos envolvidos na Nutrição Vegetal e influenciadores
*Degradação de moléculas para obtenção de energia
Cenário Mundial e Nacional

Atualmente a Nutrição Vegetal exerce um importante papel para que seja atingida a máxima eficiência no sistema de produção agrícola, isso se deve a rápida expansão da demanda por produtos agropecuários, guiados principalmente pelo crescimento dos países em desenvolvimento.

Segundo as Nações Unidas, o crescimento populacional, constante aliado ao aumento da receita per capita, e a contínua urbanização, não só aumenta a demanda total por alimento como também permite aos consumidores de países em desenvolvimento a incrementarem e diversificarem a sua dieta. Nos países desenvolvidos o consumo de alimentos encontra-se estagnado, devido á saturação do consumo per capita e pelo crescimento limitado da população. Porém a introdução de políticas para melhoramento da matriz energética e a busca pela sustentabilidade ambiental incentivaram a produção de biocombustíveis, o que também impacta no aumento da demanda por produtos agropecuários.

Em termos numéricos, a população mundial irá crescer mais de 30% até 2050 e o PIB per capita mundial terá um aumento de 1,36% ao ano. A variação desses indicadores contribui substancialmente para o crescimento da demanda mundial por alimentos, sendo necessária para 2050 uma produção, entre alimentação humana e nutrição animal, de três bilhões de toneladas, o que significa que em 35 anos a produção de alimentos terá que praticamente dobrar.

Gráfico: População Mundial 2000 – 2050 | Fonte: Nações Unidas 2015, Departamento de População. DESA

Gráfico: Percentual de crescimento anual do PIB per capita por regiões. | Fonte: Banco Mundial
Já o cenário brasileiro é de país em desenvolvimento com desafios de países desenvolvidos. A população do Brasil irá crescer 3,73% nos próximos cinco anos, além disso as estimativas de crescimento do PIB per capita ultrapassam a média mundial, sendo de 2% de crescimento ao ano até 2020, mesmo considerando a retração 2015/16.

Gráfico: População Brasileira 2000-2020. | Fonte: IBGE

Gráfico: Produto Interno Bruto per capita em US$ – 2000-2020 | Fonte: FMI
Ambos fatores guiam para um aumento no consumo de alimentos pela população brasileira. Entretanto, os desafios do Brasil não param por aí, em 2014 a matriz energética do país dependia em 27% de produtos agropecuários e para os próximos anos, apesar da tendência de participação não aumentar, o Ministério de Minas e Energia espera que a oferta de produtos agropecuários na matriz energética cresça em 2/3 em 15 anos.

Tabela: Oferta de energia primária no Brasil em milhares tep* (*Toneladas equivalente de petróleo;) | Fonte: Ministério de Minas e Energia

Para suprir a demanda futura será necessário aumentar a produtividade, seja através do incremento da produção ou da expansão da área plantada, em ambos dependem da nutrição vegetal, pois apesar de existirem solos disponíveis para a agricultura, boa parte é composta por solos com baixos teores de nutrientes disponíveis para as plantas.

Cadeia Produtiva

A Indústria de Tecnologia em Nutrição Vegetal é caracterizada pelo constante investimento em inovações, sendo a principal diferenciação desse segmento as adições de matérias-primas intermediárias com tecnologia agregada à composição de suas formulações, pois isso permite a criação de produtos mais eficientes e formas de aplicação mais eficazes. Todos esses fatores atendem à demanda do campo, na busca contínua pelo aumento da produtividade e da qualidade do produto agrícola.

Figura: Cadeia Produtiva da Indústria de Tecnologia em Nutrição Vegetal
A figura reproduz, esquematicamente, toda a cadeia produtiva da indústria de Tecnologia em Nutrição Vegetal, envolvendo atividades que vão desde a extração da matéria-prima até a composição de formulações aplicadas diretamente na agricultura.


Sobre

A Abisolo, Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal, foi fundada em março de 2003 com o objetivo de representar e defender os interesses das empresas produtoras de importantes insumos que colaboram para o aumento da sustentabilidade e produtividade agrícola brasileira.


Av. Paulista, 726 – Ed. Palácio 5ª Avenida Cj 1307 – Bela Vista

(11) 3251.4559