Negócios seguem travados no mercado brasileiro de grãos com impasse nos fretes

1 de agosto de 2018
conheca-as-principais-caracteristicas-dos-contratos-de-alienacao-fiduciaria-em-garantia-leasing-e-factoring-e1528917871451
A questão do tabelamento dos fretes segue travando os negócios com os grãos no mercado brasileiro. A consulta pública sobre o caso permanece aberta na ANTT (Agência Nacional dos Transportes Terrestres) até o próximo dia 3 de agosto e, na sequência, uma audiência pública com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux será realizada.

Até que isso se resolva, uma nova tabela não será divulgada e o fluxo da comercialização no país, portanto, não evolui com todo seu potencial.

Como explicou o coordenador executivo do Movimento Pró Logística, Edeon Vaz Ferreira, uma evolução no assunto ainda dependerá das decisões judiciais, com as medidas tomadas pelo Supremo. Até lá, as mudanças serão poucas e a pauta não deverá evoluir muito.

Os altos valores da tabela inviabilizam novos negócios e, até este momento, os volumes de produtos que chegam aos portos nacionais têm sido trazidos por vagões de trens lotados de soja, farelo e milho ou por caminhões de frotas próprias de produtores ou grupos agrícolas e empresas. Para a nova safra, os novos negócios são ainda mais escassos.

Está tudo parado da safra nova, que já não mostra intenção de negócios até que se encerre o tabelamento ou se crie um preço mínimo baixo que dê condição de negociar os valores dentro da realidade do mercado, e não como esta tabela trazida em maio, que deixou os valores para os grãos inviáveis de transportar”, explica o consultor Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting.

Segundo exemplifica o executivo, o frete para carregar o milho de Sorriso a Paranaguá está, atualmente, em R$ 400,00 por tonelada, contra algo entre R$ 280,00 e R$ 290,00 antes da tabela. Com o frete de retorno que era possível para os Fertilizantes – que variava entre R$ 150,00 e R$ 180,00 por tonelada – o preço atual viabiliza o transporte, enquanto que no momento presente essa relação já não compensa mais. Afinal, o frete de retorno vai ser o mesmo valor, explica.

Além da dificuldade no escoamento dos grãos e da chegada dos fertilizantes para dar início à próxima safra de verão que começa nos próximos meses, os produtores brasileiros ainda enfrentam problemas de armazenagem. A colheita do milho safrinha continua acontecendo, mais de 50% da área nacional já foi colhida e há pontos do Brasil onde o milho está sendo deixado a céu aberto, uma vez que os grãos da safra velha ainda ocupam os silos ou silos-bolsa.

Somente no estado de Mato Grosso, de acordo com informações do Imea (Instituto de Economia Agropecuária do estado de Mato Grosso), há pontos com esse quadro em cidades como Sorriso, Ipiranga do Norte, Querência, Tangará da Serra e Sinop. Em Sorriso, a comercialização da soja segue bastante travada depois de uma alta de cerca de 20% nos valores do frete, segundo relatou o produtor rural Laércio Pedro Lenz.

Após o tabelamento do frete a comercialização travou. Não temos negócios nem para a próxima safra de soja e milho, já que ninguém tem certeza do que vai acontecer. As tradings estão inseguras”, diz.

Da safrinha 2017/18 de milho, na região, ainda há cerca de 50% para ainda ser comercializada.

Mas não sabemos até quando conseguiremos segurar esse produto, uma vez que precisamos negociar para planejar a próxima temporada”, alerta Lenz.

O quadro, porém, tem sido comum em todo o estado.

As poucas negociações tiveram como principal empecilho a absorção do aumento de 16,4% no preço do frete durante os últimos dois meses. Nesse momento, também ocorriam as aquisições e entregas de insumos/Fertilizantes para a safra futura, porém, de maneira cautelosa. Até o mês atual, foram comercializados 80,7% de todos os insumos/Fertilizantes para a safra futura”, informa o Imea em seu boletim semanal.

Fonte: Notícias Agrícolas (31/07/2018)


Sobre

A Abisolo, Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal, foi fundada em março de 2003 com o objetivo de representar e defender os interesses das empresas produtoras de importantes insumos que colaboram para o aumento da sustentabilidade e produtividade agrícola brasileira.


Av. Paulista, 726 – Ed. Palácio 5ª Avenida Cj 1307 – Bela Vista

(11) 3251.4559


Categorias






2019 Abisolo- Todos os direitos reservados – Política de Privacidade